Entretenimento

Ednaldo do Egypto apresenta ‘Tennessee Me’

nov 09, 2018 Redação

Começa neste fim de semana mais uma temporada do espetáculo ‘Tennessee Me’, que homenageia a um dos dramaturgos mais importantes do século XX, Thomas Lanier Williams, mais conhecido como Tennessee Williams. A apresentação acontece todos os finais de semana, até o final do mês de novembro, no Teatro Ednaldo do Egypto, em Manaíra.

A estreia será neste sábado (10) e segue pelos dias 11; 17 e 18; 24 e 25, sempre às 20h. O espetáculo fará adaptações de três obras curtas do autor: ‘Fala Comigo Doce Como a Chuva’, Essa Propriedade Está Condenada’ e ‘E Contar Tristes Histórias das Mortes das Bonecas’.

Estrelado pelos atores Hofmann, Eslia Maria, Fernanda Maranho, Leandro Nobre, Micaell Wouglle e Raíssa Gama, as entradas do espetáculo custam 10 reais antecipado e 20 reais na bilheteria do teatro. Estudantes pagam meia entrada (10 reais).

Foto: Stéfano Sendtko

Adaptações de Tennessee Me

FALA COMIGO DOCE COMO A CHUVA – A história da conturbada relação de um jovem casal, que ao longo do tempo foi se desgastando a tal ponto em que não conseguem mais se relacionar. Tem início o embate entre os desejos de cada um, num momento caótico de sua relação. A solidão, o passado e o incerto futuro norteiam e desnorteiam as mentes dos dois personagens.

ESSA PROPRIEDADE ESTÁ CONDENADA – Retrata a história de Willie, uma menina de 13 anos envelhecida pelo tempo. Em um de seus devaneios ela encontra Tom, um garoto um pouco mais velho com quem compartilha sua infância de perdas, lembranças da irmã, sua realidade de ilusões e o ser mulher. O garoto e a menina se envolvem entre brincadeiras, esperanças e medos, enquanto Willie trilha um caminho sem volta, que sempre a leva de volta para casa no fim do dia.

E CONTAR TRISTES HISTÓRIAS DAS MORTES DAS BONECAS – Uma noite pode vir acompanhada de reviravoltas imprevisíveis. Depois de um papo leve em um reconhecido bar da cidade, Candy Delaney, um jovem adulto de sorriso fácil e de uma delicadeza que denota algo a mais sobre sua vida íntima, se encaminha para seu apartamento no bairro francês com uma novidade: a companhia de uma figura marcada numa cidade costeira, Karl, um marinheiro jovem, de um olhar distinto, cuja tradução navega entre a ingenuidade e a malícia. Em seu habitat, Candy despoja-se de qualquer discrição e deságua em devaneios sobre seu passado e sobre suas conquistas com um único objetivo: capturar o interesse e a atenção de Karl. Em um jogo onde a atração e a repulsa ditam o ritmo, o casal inicia um ritual de sedução onde dominador e dominado se confundem permanentemente até o fim da trama.