Saúde

Refrigerante é o 6º alimento mais consumido por adolescentes

jul 07, 2016 Redação

Entre os 20 alimentos mais consumidos pelos adolescentes brasileiros, os refrigerantes estão entre os seis primeiros, à frente das hortaliças, e as frutas sequer aparecem na lista. Os dados são do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (ERICA) realizado pelo Ministério da Saúde e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que aponta ainda índice de 8,4% de obesidade entre meninos e meninas de 12 a 17 anos.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, assinou nesta quinta-feira (7), portaria que traz as diretrizes para promoção da alimentação saudável nas unidades da pasta em todo o país. A proposta é estender essas regras aos demais órgãos e entidades da administração direta federal. O ministro também apresentará proposta para mudança legislativa a ser aplicada às escolas públicas e privadas.

“Precisamos reduzir as causas e os danos por comportamentos de riscos, como sedentarismo e uma alimentação rica em sódio e açúcar, que levam a doenças como obesidade e hipertensão”, destacou.

Segundo o ministro, a mudança precisa acontecer de dentro para fora. Por isso, o lançamento dessa portaria, que passa a valer, inicialmente, para todas as unidades do Ministério da Saúde. O objetivo é estender as diretrizes aos demais órgãos do governo federal. “As refeições pagas com recursos da pasta e ofertadas em todas as unidades vinculadas devem seguir o protocolo de Alimentação Saudável”, afirma Barros. Segundo o ministro, atualmente, os pacientes com comportamento de risco, que abrange obesidade, sedentarismo, alcoolismo e tabagismo, são o grande desafio da saúde brasileira. “É preciso investir em saúde preventiva. É melhor para a população e onera menos o orçamento do Sistema Único de Saúde”, ressalta.

A portaria que define as Diretrizes para Promoção da Alimentação Adequada e Saudável, do Ministério da Saúde, abrange tanto as refeições disponibilizadas no restaurante da pasta quanto nas cantinas e as refeições dos eventos realizados pelo órgão. A maior parte da oferta deve ser de alimentos dos seguintes grupos: cereais, raízes e tubérculos, verduras e legumes, frutas, castanhas e outras oleaginosas, leite e derivados, carnes, ovos e pescados. Também fica proibida a venda, promoção, publicidade ou propaganda de alimentos industrializados ultraprocessados com excesso de açúcar, gordura e sódio e prontos para o consumo.

Com o intuito de promover e orientar a alimentação saudável em todas as instituições do país, o Ministério da Saúde criou um Guia para elaboração de refeições que vai contribuir com a melhoria da qualidade da alimentação das pessoas que prestam serviços nesses locais. Os Departamentos deverão considerar essas orientações na elaboração de termos de referência ou processo para contratação de empresas que realizam, por exemplo, coffee breaks, brunchs, coquetéis e almoços.

Sobre o estudo

O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes, reúne dados de cerca de 75 mil estudantes de 12 a 17 anos. São alunos de 1.247 instituições públicas e privadas distribuídas em 124 municípios, todos eles com mais de 100 mil habitantes. O estudo é uma parceria do Ministério da Saúde com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O estudo apontou que a dieta dos adolescentes brasileiros é caracterizada pelo consumo de alimentos tradicionais, como arroz (82,0%) e feijão (68,0%), e ingestão elevada de bebidas açucaradas (56,0%) e alimentos ultraprocessados, como refrigerantes (45%), salgados fritos e assados (21,88%), e biscoitos doces e salgados, sendo o refrigerante o sexto alimento mais referido (45,0%). Esse padrão associa-se à elevada inadequação da ingestão de cálcio, vitaminas A e E e ao consumo excessivo de ácidos graxos saturados, açúcar livre e sódio – mais de 80% consomem sódio acima dos limites máximos recomendados (5 gramas por dia).

A prevalência do consumo de frutas foi baixa, e esse grupo de alimentos ficou entre os 20 mais consumidos somente entre os meninos de 12 a 13 anos (18,0%). O café (64,0%) ficou entre os cinco alimentos mais consumidos somente na região Norte. O feijão foi o segundo alimento mais consumido nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste. A região Sul apresentou a maior prevalência de consumo de refrigerantes (51,0%). As hortaliças (54,0%) configuraram entre os cinco alimentos mais consumidos somente na região Centro-Oeste.

Ministério da Saúde